• Maisis Publicidade

WhatsApp testa função para versão web não depender do celular

O WhatsApp anunciou um teste que muda o funcionamento de sua versão web. Com a novidade, alguns usuários poderão usar o aplicativo no computador, por exemplo, sem depender do celular, como acontece hoje.


Será possível acessar o app em até quatro PCs e, em cada um, o WhatsApp funcionará de forma "independente". No smartphone, no entanto, a conta continua sendo limitada a um só aparelho.


Por enquanto, o teste será restrito a um pequeno grupo de usuários da versão beta do aplicativo, em todo o mundo. Ainda não há previsão para a função ser liberada para todos.


Antes do teste, ao enviar mensagens do WhatsApp pelo computador, a máquina funcionava somente como um tipo de interface, como se o aplicativo fosse apenas espelhado no PC.

Quem cuida do envio e recebimento de mensagens é o smartphone. Ele é que é responsável pela função de criptografia que embaralha as mensagens e só permite que remetente e destinatário tenham acesso ao conteúdo, por exemplo.

Por isso, quando o celular é desconectado da internet ou fica sem bateria, não é possível continuar usando o aplicativo pelo computador.


No teste, o WhatsApp vai usar um sistema para sincronizar as mensagens entre o celular e outros aparelhos conectados, se transformando em um app "multiplataforma". Para usar o WhatsApp em um computador, continuará sendo necessário escanear um QR Code a partir do telefone, como acontece atualmente.


Mas haverá um passo a mais antes disso: para vincular o WhatsApp Web ou Desktop à conta do app, será solicitado o desbloqueio biométrico (com reconhecimento facial ou impressão digital) no smartphone.


O objetivo é impedir acessos indesejados, como os que acontecem em clonagem ou roubo de contas.


E se a pessoa trocar de celular?

Se uma pessoa trocar de celular ou se um terceiro conseguir entrar em sua conta por outro smartphone, todos os dispositivos complementares serão "automaticamente desconectados como medida de segurança", segundo o WhatsApp.


Fonte e texto: G1